Como medicar e atender delírio, o problema de pessoas idosas agitadas em hospitais, salas de emergência, e especialmente em UTIs, é um dilema clínico antigo. O médico tem receio de fazer uma pessoa com delírio entrar em coma ou ter uma parada respiratória. Já há muitos anos se sabe que benzodiazepínicos são perigosos em situações de delírio. A norma foi usar os antipsicóticos, clorpromazina e haloperidol, entre outros. Cada médico tinha sua preferência particular até aparecerem os antipsicóticos de última geração. Com menos efeitos parkinsonianos e anticolinérigos, e dominaram o mercado.

Porém, estudos comparativos em tratamento de delírio não foram realizados. Um novo estudo comparou um dos antipsicóticos modernos, ziprasidona e haloperidol, o mais clássico dos antigos. Porém, o resultado mostrou que nenhum dos dois foi mais eficiente que placebo no controle de delírio em pacientes em cuidados intensivos. O estudo de Girard e colegas – New Eng J Med 2018 epub 2018 Oct 22 – avaliou 566 pacientes em insuficiência respiratória ou choque com delírio hiper ou hipoativo. Ou seja, delírio com ou sem agitação motora. Doses EV das medicações foram comparadas entre si e com placebo com respeito aos dias sem delírio e a sedação excessiva durante o período de observação.

O site icudelirium.com é dedicado ao tratamento de delírio, e recomenda que estes pacientes devem ser manejados com um ABCDE: avaliação, prevenção e tratamento de dor; estímulo respiratório; mobilização precoce e exercício; engajamento intensivo da família no atendimento.

Minha própria experiência em tratamento de delírio é que ainda é necessário diminuir as doses de medicamentos que possam ter efeito anticolinérgico, que são muitos, como omeprazol e similares. Tratamento eficaz de infecções e outros incômodos como feridas de pressão, e utilização da rotina da UTI e da família para fazer valer o ciclo de vigília e de sono. E, crítico, acalmar o ambiente, com pouca luz e pouco barulho, em especial no momento em que se deseja que a pessoa durma.

Dr Paulo Bittencourt

 

Compartilhe este artigo: