Créditos de imagem: Wellcome Collection.

A história da sanidade e insanidade, assim como da loucura, já foi objeto de minha atenção.

https://www.amazon.com/s?k=paulo+rog%C3%A9rio+bittencourt&dm=true&__mk_pt_BR=%C3%85M%C3%85%C5%BD%C3%95%C3%91&ref=sr_moz_back

O presente texto vem do folheto guia de uma exposição chamada Bedlam, que ocorreu em Londres no final de 2016, sobre os conceitos que levaram à instituição dos asilos de lunáticos: www.wellcomecollection.org/bedlam. A saúde mental tem dimensões médica, psicológica, social, espiritual e ambiental. Enquanto as fronteiras de sanidade e insanidade são elásticas e fonte de intenso debate, cada um tem seu local no espectro de variação, muitas vezes com um diagnóstico, um tratamento, uma mudança de estilo de vida ou um local seguro.

Em tempos antigos o asilo era um local, muitas vezes um santuário religioso, onde as pessoas podiam buscar refúgio. Ainda antes de existirem os asilos os doentes mentais eram atendidos na comunidade. Talvez o mais antigo paradigma que se tenha notícia no mundo ocidental seja a comunidade cristã em Geel, Bélgica, que se formou após a martirização de Dimpna, depois Santa Dimpna, a garota irlandesa, nos séculos logo após o 7º e 8º. Lá, a cidade se dispunha a hospedar malucos, epilépticos e paralíticos nas casas das pessoas. A comunidade foi melhorando suas habilidades do atendimento da sanidade e insanidade através dos séculos. Aos poucos outras cidades medievais organizaram locais e setores de atendimento, por que a demanda era contínua. Eventualmente, desta origem espiritual, emergiram grandes colônias, devido ao longo tempo que pessoas fisicamente saudáveis precisam para voltar ao convívio geral. Os asilos emergiram da mesma maneira que as colônias de leprosos, epilépticos. Também monastérios, colégios internos, os colleges das primeiras universidades no mundo árabe e no mundo ocidental, a tendência pós-medieval foi de concentrar as pessoas e especializar seu atendimento.

Nestas comunidades e depois asilos medievais as ideias sobre doença mental, sanidade e insanidade, foram se definindo, e linhas de tratamento foram desenvolvidas. Conceitos e paradigmas diferentes foram criados, desafiados e reinventados por vozes diferentes, muitas vezes em oposição: médicos, pacientes, líderes religiosos, artistas, comentaristas sociais e reformistas. Suas ideias deram forma ao significado de doença mental e criaram o panorama atual.

A palavra Bedlam originalmente se referia ao Bethlem Royal Hospital, fundado no século 13 em Londres, que ainda funciona. Grandes asilos são hoje históricos, considerados fora de moda, desumanos e mal-assombrados. Principalmente pela influência psicanalítica traduzida e espalhada de maneira internacional e trans-disciplinar por Michel Foucault. Porém a doença mental é mais comum que nunca. Nossa cultura ferve com possibilidades teóricas sobre sanidade e insanidade, assim como possibilidades terapêuticas, mas muitas pessoas ainda ficam sem opções satisfatórias. Mais que nunca, volta a ideia original do santuário, um local de refúgio, cuidado e atendimento, que talvez precise ser reinventado.

Dr Paulo Bittencourt

 

Compartilhe este artigo: