Créditos de imagem: X-Leme.

A coluna vertebral é alterada em pessoas com esclerose múltipla, de uma maneira que piora com o tempo e com a evolução do déficit neurológico. A coluna vertebral pode ser muito prejudicada quando se somam tempo de evolução da doença, quantidade de lesões cranianas e medulares, e quantidade de impacto na vida diária. Ocorrem lesões de discos com extrusões, hérnias, e artrose acelerada dos ossos e das articulações.

A degeneração acelerada da coluna vertebral é mais óbvia quando a pessoa tem a forma crônica progressiva, com lesões de tronco, cerebelo e medula espinhal. As causas são perda de sensibilidade vibratória e de sustentação muscular. A sensibilidade vibratória, testada com um diapasão, leva informação de sensores que ficam dentro das articulações, nos tendões musculares. É a sensibilidade profunda, em oposição à superficial da pele, testada com um alfinete ou com uma pena. As pessoas com esclerose múltipla estabelecida tem alguma perda da sensibilidade vibratória; não sabem exatamente onde e como estão suas pernas, joelhos, pés e quadris. Não se defendem automaticamente do impacto no dia a dia, por exemplo subindo e descendo escadas. O pior é que quase ninguém tem noção disso, e tendem a não acreditar quando a gente lhes dá esta notícia.

Além da fraqueza muscular muitos tem falta de equilíbrio por várias razões, e batem os pés no chão com mais força em todos os passos que dão. Muitas são mulheres vaidosas, sem vontade de usar tênis com amortecedores e bengalas. Preferem botas, sapatilhas e rasteirinhas que pioram o impacto. A figura, cortesia da clínica X-Leme em Curitiba, mostra uma coluna vertebral em um homem de 48 anos, com doença progressiva muito avançada, com todos estes déficits neurológicos e com um tremor de membros que piorou a situação. Uma de suas hérnias, na região torácica, já é cirúrgica.

Assim como este homem, muitas pessoas nunca são informadas deste problema, mas param de piorar quando passam a usar tênis e bengalas. Muitas pessoas com estas formas de esclerose múltipla deveriam tomar cuidado extremo quando tentam ficar de pé, ou mesmo andar, sem estar em plenas condições.

Dr Paulo Bittencourt

Image courtesy of Dr Heraldo Mello Neto
Compartilhe este artigo: