Créditos de imagem: https://www.istockphoto.com.

A impunidade do clã Beto Richa foi inaugurada quando José Roberto Figueiredo Santoro, hoje com tradicional escritório de Brasília, onde trabalhou durante vários anos Rodrigo de Bittencourt Mudrovitsch, deixou a sub-procuradoria da república de Fernando Henrique Cardoso. Ligados tradicionalmente a Renée Ariel Dotti em Curitiba, Santoro e Rodrigo são próximos de Gilmar Mendes, inclusive por laços financeiros, religiosos e familiares. Tudo através do primo de Rodrigo, Heinz Herwig, nascido em Blumenau, radicado em Londrina no tempo de José Richa. Rodrigo deixou de advogar para Richa quando ficou bandeiroso defender Gleisi ao mesmo tempo, revelaria alguma ligação obscura, talvez de Salomão Soifer. Gilmar Mendes responde a Fernando Henrique Cardoso, e é ligado aos Barata, dos ônibus do Rio de Janeiro, portanto a Salomão Soifer.

Antônia Lélia Neves Sanches, ainda procuradora federal no Paraná, escondeu minha denúncia de malfeitos no CRM e de lavagem de dinheiro, assim como um atentado a mim por um Porsche Cayenne verde musgo com uma loira dentro, no estacionamento do MPF de Curitiba. Em 2016 Antônia juntou-se à milícia de ex-procuradores e procuradores dos MPs do trabalho, municipal, estadual e federal, do Paraná, São Paulo, Brasilia e Santa Catarina, que gravitam em torno de Beto Richa, como Edgard Katzwinkel Jr; José Antonio Gediel; Eroulths Cortiano Jr; Olímpio Sottomayor; Manoel Munhoz; Andrea Nice Silveira Lino Lopes, Weber Luiz de Oliveira e, imagina-se, Luiz Edson Fachin. José Roberto Figueiredo Santoro, próximo de José Serra, membro fundador da milícia do PSDB, segundo a mídia, mexe em processos que não são seus, revela provas sigilosas, usa artimanhas permitidas e não permitidas, como a traíra, o peixe que trafega no fundo dos rios brasileiros.

Luiz Fernando Bandeira de Mello e Gilmar Mendes usaram o Conselho Nacional do Ministério Público para obstruir a ação do GAECO. Bandeira de Mello é ligado ao MDB no Senado, Garibaldi Alves Filho e Renan Calheiros, diga-se, Fernando Collor de Mello.

O Capo di tutti capi só pode ser Fernando Henrique Cardoso. Serra, Alckmin, FHC e Arlete Richa poderiam coordenar esta engrenagem e apagar incêndios do Playboy Piloto. Curiosa seria uma delação premiada de Beto, a versão fitness do clã Geddel Vieira Lima. Por exemplo, quem indicou esta Antônia Lélia para Beto Richa? Ela é sócia do Graciosa Country Clube? Será Beto Richa intocável somente pela ideia das capitanias hereditárias que ele pensa herdar, ou, pior, será ele o executivo de um grupo que tem o Brasil na mãos?

Dr Paulo Bittencourt

Image courtesy of Dr. Paulo Bittencourt | Dimpna
Compartilhe este artigo: