Fernando Henrique Cardoso resolveu atacar Santa Dimpna, a padroeira dos que sofrem incesto e dos que tem problemas de loucura, paralisia ou epilepsia. O conspirador-mor do Brasil no século XXI (http://www.dimpna.com/2018/03/31/o-imperador-fernando-henrique-cardoso/) , deixou para trás a moral e ética antes de ficar viúvo. Provas de sua articulação são a perseguição a Santa Dimpna e o caso dos pré-transplantes de células tronco hematopoiéticas realizados pela Unidade de Neurologia Clínica Dimpna Eireli desde 1997, com maior ímpeto desde 2005, um procedimento 100% inatacável dos pontos de vista ético, legal ou humano. Nosso plano de introduzir no continente um transplante de células tronco ambulatorial, com maior segurança e menor custo estava pronto para ser executado em 2015. Abertamente, com conhecimento de todos, em parceria com o inimigo. Sem alternativa, os inimigos montaram um consórcio e fomos atacados a partir de 2010 pela TV Câmara em Brasília, pelos governos estaduais do Paraná e Santa Catarina, pelos Conselhos Regionais de Medicina do Paraná, São Paulo e Santa Catarina, pelos Ministérios Públicos Municipal, Federal e Estadual do Paraná e Santa Catarina, por convênios de economia mista como a Judicimed e o GEAP, privados como a Clinipam e a UNIMED, e pelo SINDESC, o sindicato dos trabalhadores da saúde que age em uníssono com a elite corrupta dominante.

Acusações falsas, obtidas através de consultas, internamentos e casos sexuais plantados que não se concretizaram, chegam a mais de 100 violações dos direitos humanos de bebes prematuros, mulheres próximas da gravidez, idosos com demência e em coma. Repito, são 100 (cem). Mas eu não caí em armadilha, como ocorreu com Aécio e o Deputado Rocha Loures. Ocorreram inúmeras mortes, documentadas em denúncias à Comissão de Direitos Humanos da OAB do Paraná, ao COREN e ao Conselho Federal de Medicina. Porém, eu demorei 10 anos para captar esta trama, pérfida a ampla demais para meu inocente e humilde sistema cognitivo. Virgínia Soares, acusada de ser a maior criminosa serial da História da Medicina em todo o mundo, talvez nunca tenha entendido o que a engoliu.

A evidência indica que o ataque à Santa Dimpna e aos pré-transplantes foi organizado localmente pelo casal de ocasião Arlete Richa e Farid Sabagg, com supervisão nacional de Fernando Henrique Cardoso, e amplo apoio do que eu agora chamo o Império Otomano do Brasil (http://www.dimpna.com/2018/03/04/o-imperio-otomano-no-brasil/). O nome Dimpna foi registrado em 2010. Para não dizer que é a “maçonaria”, digo que é uma aliança semelhante à da 1ª Guerra Mundial, com a elite de otomanos e austro-húngaros, e os executivos judeus e sírio-libaneses. O último e grande objetivo, por estas evidências, é de um grande acobertamento do envolvimento criminal do Governador Beto Richa e seu irmão José Richa Filho, filhos do fundador do PSDB José Richa. Beto é o príncipe otomano casado com uma princesa ibérica, donos do BAMERINDUS, hoje, depois de passar as dívidas para o Brasil e para o HSBC, BRADESCO. Candidato natural e único viável do PSDB à presidência do Brasil. Não é difícil entender o mal que a eventual incriminação do Governador em homicídio, violência com crianças e tráfico de drogas faria ao PSDB nacional, que se tornou o partido da direita religiosa e militar, que usa Bolsonaro como boi de piranha e laranja.

No pico dos ataques contra Santa Dimpna e os pré-transplantes, sofri uma armadilha mal-sucedida com uma mulata muito jovem em uma loja infantil de um shopping em New Orleans. A TV Globo montou a novela Alto Astral com um Hospital Bittencourt, que ia à falência por que um dos irmãos proprietários era um canalha pilantra, e o bonzinho fazia cirurgias como médium espírita. Euzinho da Silva, não podia acreditar! Quando eu não virei um sucesso na CNN a TV Câmara de Brasilia, a Globo e RIC em Curitiba organizaram armadilhas para tentar me fazer perder o controle emocional e ser acusado de “louco”, pois estou muito velho para acusações sexuais. Como fez Maria Victoria Borghetti Barros pessoalmente, sem nenhuma vergonha, em setembro de 2017, quando foi recebida devido a ser, na prática, o mesmo que uma filha para mim. Por sinal, ela estava na companhia do marido Diego, advogado e sócio do Procurador Geral do Estado indicado pela família.

O Governo de Beto Richa foi tomado pelo PSDB nacional, veja a Tenda Digital que dominou a CELEPAR, as Secretarias da Fazenda e Segurança, administradas por estranhos à Curitiba e ao Estado. No caso da Segurança, um expert em inteligência que não foi capaz de atender, muito menos de prever, os ataques a bancos e carros fortes do início de 2018, operações que sitiaram cidades e dariam inveja ao Al-Qaeda. De quebra, o mesmo secretário permitiu a presença de Bolsonaro e Lula no mesmo dia em Curitiba. Jamais interceptou as toneladas de cocaína, maconha e armas que passam pelo estado em direção a todo o mundo: São Paulo, Rio, a riquíssima região de Curitiba-litoral de Santa Catarina, e os portos de toda a costa Atlântica do sul. Lula quase foi a Guarapuava, terra dos Slaviero Ribas Carli. Fugiu de avião. Existe alguma dúvida que Beto Richa deixou de ir a Las Vegas com Nego Scarpin para participar desta trama digna da Netflix?

A prova final do esquema será a sobrevida deste sistema do PSDB nacional durante o mandato de Ricardo Barros frente ao governo estadual. Ricardo Magalhães de Barros obteve a cooperação da segunda esposa, se dizem tão católicos mas ele tem outra família, através de mortes e dano moral e corporal gravíssimo na grande e muito próxima família de 13 irmãos de Cida. nada podia ser mais contra Santa Dimpna. Recebeu o bastão operacional dos octogenários: Farid Sabagg, Salomão Soifer, Affonso Antoniuk, Renée Ariel Dotti e Heinz Herwig. Não sou só eu a ser eliminado pelo consórcio. Vejam os casos de Virginia Soares, Sergio Savistky, Renato Brandão, Valéria Ghisi e Jaime Sunye Neto, só os que eu sei.

Dr Paulo Bittencourt

 

Image courtesy of Dr. Paulo Bittencourt | Dimpna
Compartilhe este artigo: