Essencialmente Fernando Henrique Cardoso é o maior conspirador do Brasil. Nesta função comete crimes que remetem ao Império Otomano, na esfera do serviço público, das empresas de economia mista e privada, nas esferas familiar e criminal (http://www.dimpna.com/2018/03/04/o-imperio-otomano-no-brasil). Antes de ficar viúvo deixou para trás qualquer noção de moral e ética. O Brasil atrelado à mente de um homem de 90 anos que não se sabe quantos filhos tem, vive com uma de suas 4 mulheres conhecidas, 40 anos mais nova, sendo que todas conviveram, uma sustentada pela conta ilegal da outra no exterior, é muito além do que Gabriel Garcia Marquez poderia ter sonhado.

A participação de Fernando Henrique Cardoso na origem da Braskem, a gigante dos ovos de ouro da Odebrecht (https://www.cartacapital.com.br/revista/895/negocios-de-familia), é onde pode se buscar o fio da meada das relações entre Curitiba, Salvador e o Panamá. André Rabello e Sandro França são os nomes das pessoas que ligaram Heinz Herwig, o power-broker do Paraná e Santa Catarina, com o coração da Odebrecht. Está ali a origem de José Roberto Batochio, que tão bem cuidou dos amigos de Luiz Antonio Scarpin na época do Banestado, e agora cuida da Pizza de Lula.

Pior do que a vida pessoal do filho de general que fez de conta que era de esquerda é sua responsabilidade por mudanças na vida de milhões de pessoas. No Império Otomano de Fernando Henrique Cardoso vale tudo: tráfico de armas, drogas e exploração de pessoas, pedofilia, incesto, assassinato puro e simples, eutanásia, suicídios e omissão de socorro médico. Os acidentes que mataram Teori e Campos ocorreram justo no estado com os sistemas aeronáuticos mais sofisticados do hemisfério, cujo acobertamento envolve militares e civis em vários níveis.

No Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes encena e faz exatamente o que Fernando Henrique Cardoso deseja. Paulo Preto, Gleisi Hoffman, Beto Richa e Jacob Barata usaram o mesmo grupo de advogados ligados aos Santoro, como nosso afilhado em comum Rodrigo Mudrovistch, que faz ligação direta com Heinz Herwig. O embate histórico entre Gilmar e Barroso na discussão do habeas corpus de Lula foi teatro.

A semana do depoimento de Lula ao TRF em Curitiba mostrou a articulação entre os vários setôres do judiciário e segurança. Um julgamento crítico do caso Slaviero Ribas Carli no Supremo foi adiantado para 11 de maio de 2017, o depoimento de Lula foi atrasado para 10 de maio, dia 8 eu denunciei a pizza na página @dimpnaunineuro do Facebook, dia 9 Janot chamou a atenção de Gilmar Mendes. Então apareceu Renée Ariel Dotti, advogado de Slaviero Ribas Carli e de Richa, no depoimento de Lula. O funil de segurança que conduziu Lula ao cadafalso foi obra do governo estadual. Richa estava no fim de semana em um casamento de prima de Fernanda Vieira Richa em São Paulo com Dória. Ambos não estiveram no programa do PSDB na TV naqueles dias, um mea culpa estapafúrdio. Mesma encenação que o assassinato de Marielle, o atentado à caravana de Lula e o casamento de Maria Victoria Borghetti Barros.

O testemunho de Lula em Curitiba poderia ser facilmente anulado, mas a defesa de Lula preferiu uma pizza com data futura de entrega. O PT paranaense light de Rosinha e Vanhoni foi fundado pela direita da Soeur Cristina do Colégio Sion, do outro lado da rua da casa de Paulo Pimentel, avô de Eduardo Pimentel Slaviero, o atual vice-prefeito. Parente do escravocrata Nelson e do assassino Carli. Vanhoni teve filhos no Anjo da Guarda, o colégio da maçonaria curitibana. Rosinha é médico. É como se o PT de São Paulo fosse só do Suplicy, sem os trabalhadores. Um PT dos Jardins sem o ABC. O PT da Universidade Federal do Paraná, do Batel e Água Verde, não da CIC e Fazenda Rio Grande, onde moram os metalúrgicos. Esta esquerda de fachada é ligada ao PSDB pelos lobos temporais e frontais mesiais, justamente a parte de consciência que Fernando Henrique Cardoso se especializou em controlar. Na verdade é uma antiga marca registrada do Imperador.

Temos para hoje, então, crime de obstrução da justiça para pior. Os fatos aconteceram, não podem ser atribuídos ao acaso. Fernando Henrique Cardoso é muito mais perigoso do que Temer, Maluf ou Delfim. Este povo se digladia em um nível de realismo fantástico enquanto Lula leva tiros, pedras e ovos no fim do mundo. Fernando Henrique Cardoso será conhecido na História como o Imperador do Brasil na virada do século. A comprovação final do acobertamento das façanhas do Príncipe Richa  e seu entorno foram as entrevistas sucessivas que os dois deram em fevereiro de 2018 para o Estadão, e a entrevista isolada de Richa à Folha de São Paulo em fim de março. Nota-se, eles contam, claramente, o que está acontecendo, Beto não sabe muito do que se passa.

Dr Paulo Bittencourt

 

Image courtesy of Wikimedia Commons
Compartilhe este artigo: