Falecido precocemente aos 47 anos de idade em 15 de setembro de 1975, o primeiro Dr Paulo Bittencourt recebeu o maior velório, a maior procissão de enterro e a maior missa de corpo presente que tenho notícia em Curitiba. Talvez seja minha memória de filho, claro, mas tinha muita gente na grande sala de visitas – jantar de nossa casa. Sempre foi um salão meio vazio, nunca havia chegado a ser mobiliada, um local conveniente para o velório. A fila de carros travou entre nossa casa na Gerônimo Durski com Carmelo Rangel e a Igreja do Bom Jesus. A missa tinha gente até a praça em frente. Era o décimo-terceiro acidente vascular cerebral desde 1962. O primeiro foi com 35 anos! Em todos ele entrava em coma e ia para o hospital, eram AVCs de tronco, na época não se conhecia isso aqui.

Não é surpresa um velório tão grande, pois o primeiro Paulo Bittencourt tinha 8 irmãos, 40 sobrinhos e quase 100 afilhados e crianças que ele havia ajudado a adotar; era funcionário público do estado, sócio do Lions, Professor de Obstetricia da PUC e da Escola de Enfermagem Madre Leonie. Tinha grupos de amigos de jantar, minha mãe tinha uma loja de roupas de mulheres grávidas, e os filhos tinham vida social intensa na Curitiba de 300 – 500 mil habitantes. Havia um segredo, uma segunda família com seu próprio entorno e outros irmãos. Paulo Bittencourt tinha também uma legião de inimigos, eu já havia provado na carne e no espírito suas inimizades. Como é típico da autofagia curitibana, todos comparecem ao velório de quem tanto contribuem para partir para o outro lado.

Sua vida sempre foi um modelo para mim. Consegui ficar vivo e proteger meus filhos até crescerem. A cada pouco vou descobrindo mais razões porque Paulo Bittencourt teve tanta dificuldade e menos culpa em tudo que aconteceu com ele, e o perdoo um pouco mais. Agora, por exemplo, estou entrando em uma questão tão simples: o avô dele, Damazo Corrêa de Bittencourt, foi o real fundador de um Teatro que se chamava São Teodoro, e depois virou o Guaíra, e foi também apagado da memória curitibana. Parece ser um fenômeno recorrente.

No jantar no Bar Palácio dia 28.09.2017 estiveram presentes alguns de seus melhores amigos, colegas de Lions Clube, companheiros que estiveram com ele frequentemente nos últimos 10 anos, e na última semana antes do último AVC. Os amigos contaram para filhos, netos e admiradores, histórias de seus momentos, de como era o homem Paulo Orlando Mäder de Bittencourt. Diferente dos tempos atuais de crise, o Bar Palácio estava cheio.

Dr Paulo Bittencourt