Munchausen por procuração ou by proxy ficou mais conhecida que a síndrome original do Barão de Munchausen em anos recentes, talvez devido ao crescente número de familias desconjuntadas e crianças manipuladoras. A bíblia do diagnóstico das doenças mentais é o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais da Associação Americana de Psiquiatria, publicado no Brasil pela Artmed, editora oficial da Associação Brasileira de Psiquiatria. A reimpressão de 2008 é da edição de 2002, traduzida e revisada no Brasil. Este manual é conhecido melhor entre os especialistas em Neurologia e Psiquiatria como o DSM-IV RT, por ser um texto revisado da s revisão da classificação das doenças mentais, publicada pela associação americana antes do DSM-V.

Neste Manual existe uma muito breve menção ao nome Munchausen, sem maior explicação, associando o nome com um dos chamados transtornos factícios, na verdade o mais crônico e grave deles, que vem a ser o de natureza física (pg 495). Neste cenário, um paciente, usualmente homem de meia idade, produz sintomas de uma doença física, por exemplo uma peritonite, ou um sangramento através da ingestão de anticoagulantes, com o objetivo de parecer doente. O doente se interna repetidamente em hospitais e é submetido a inúmeros procedimentos, inclusive cirúrgicos. Por definição, não há ganho envolvido. Se houver um benefício financeiro, não é Munchausen, ou transtorno factício. Existe o mesmo tipo de transtorno com problemas mentais ou psicológicos, mais comum em mulheres. A paciente produz sintomas que parecem ser esquizofrenia, por exemplo.

A síndrome de Munchausen por procuração, ou com o nome técnico correto “Transtorno factício indireto” é extremamente rara na prática clínica, e descreve casos onde usualmente mães provocam doenças em crianças. Porém, já num cenário raro, o cenário psicológico, de produzir uma doença mental numa outra pessoa, é mais raro ainda, inclusive pela idade e limitação dos jovens pacientes. Não existem critérios clínicos estabelecidos para esta situação, ou seja, Munchausen por procuração não é uma desordem, doença ou síndrome estabelecida objetivamente. Em um apêndice do Manual estão os critérios para eventual pesquisa nesta área, indicando que o diagnóstico clínico não é ainda recomendado. Nestes critérios de pesquisa novamente está incluído o fato de que a presença de lucro, especialmente financeiro, nega o diagnóstico. O único benefício do perpetrador é ser doente, no caso, ter um filho ou uma filha doente.

No DSM V a descrição ficou como distúrbio factício imposto em outro, ou seja, existe um perpetrador e uma vítima que cabe no grupo de abuso infantil. No CID 10 da Organização Mundial da Saúde fica como distúrbio factício (CID F 68.12) e no Reino Unido é conhecido como doença induzida ou fabricada.

Uma boa discussão está em https://en.wikipedia.org/wiki/Munchausen_syndrome_by_proxy.

Dr Paulo Bittencourt